27/11/2021

Menos quantidade; Anvisa alerta que Coronavac pode ter sido alvo de “adulteração”

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alertou as secretarias estaduais de Saúde que frascos da vacina Coronavac podem ter sofrido “adulteração”.

Nossas Rádios

Em ofício, a agência reguladora informou que desde maio, técnicos investigavam um possível episódio de falsificação, notificado no estado do Maranhão.

Durante a investigação, o Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo e fabricante da vacina, foi contatado para avaliar o produto suspeito, confirmando que este não mantinha mais suas características originais.

“De acordo com a apuração, houve reaproveitamento de um frasco vazio de CoronaVac para introdução de um líquido diferente do da vacina dentro do recipiente, bem como o uso de uma cola para fixar o lacre de alumínio à tampa”, destaca a agência, em nota.

A Anvisa solicitou que os aplicadores de vacina observem se os frascos mantêm as características originais e os dispositivos de segurança intactos.

A agência recomenda, ainda, que os frascos sejam inutilizados após esvaziados e que qualquer irregularidade seja comunicada à Anvisa.

Menos doses

Em abril, a Anvisa investigou frascos de vacina da Covid-19 com menos doses. Ao menos 15 estados e o DF denunciaram esse tipo de problema na vacinação. O Ministério da Saúde orientou que estados registrem casos.

Em comunicado, o Butantan atribui a diferença no número de doses a discrepâncias no processo de aplicação. Segundo o instituto, o tipo de seringa e a forma da vacinação.

Em março, a Anvisa autorizou que o Butantan alterasse o volume do frasco da CoronaVac, para evitar desperdício. O volume passou de 6,2 ml para 5,7 ml – quantidade que deveria ser suficiente para 10 doses, considerando que cada aplicação é de 0,5 ml.

*Com informações do portal Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desculpe, mas você não pode copiar o conteúdo desta página.