28/11/2021

Sem o devido senso do ridículo, Bolsonaro questiona “quem é o gordinho ditador aqui do Maranhão”

Em alusão a um dos seus maiores opositores, o governador do Maranhão, Flávio Dino, Jair Bolsonaro questionou a população de Açailândia, há mais de 500 quilômetros de São Luis, sobre quem era o “gordinho ditador” do estado.

“Lá na Coreia do Sul é uma ditadura, o ditador não é um gordinho?”, perguntou. O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, chegou a corrigir o presidente, lembrando que a Coreia do Norte é quem tem o regime fechado, mas Bolsonaro continuou. “Na Venezuela também é uma ditadura, não tem um gordinho lá que é ditador? E quem é o gordinho ditador aqui no Maranhão”, completou.

Bolsonaro passou a palavra ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, em meio à aplausos e gritos da população: “Vai, Tarcísio”.

Flávio Dino rebateu a fala de Jair Bolsonaro e disse: “Não tenho tempo para molecagens, cercadinhos e passeios com dinheiro público.”

A comitiva do governo federal está no Maranhão nessa sexta-feira (21) para a cerimônia de entrega de títulos de propriedade rural. O vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos), acompanha o presidente na viagem.

Ontem, em visita ao interior do Piauí, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, saudou a presença do filho do presidente. “Eles sabem que Carlos Bolsonaro foi responsável pela eleição de Jair Bolsonaro. Apareça, Carluxo”, disse.

O filho do presidente abraçou o ministro no palco, que continuou: “Não fique no Rio não, fique ao lado de seu pai, em Brasília”. A fala de Fábio se deu enquanto criticava a condução da CPI da Covid.

“Sabe o que a gente está vendo na CPI? Que o filho não pode ficar perto do pai. Se tiver alguma reunião ou almoço do Bolsonaro, e algum filho tiver perto, é crime, general Heleno. Quero ver se o senador Renan [Calheiros] não conversa com o filho dele em Alagoas. Quero saber se os senadores que estão na CPI não conversam com seus filhos”, declarou.

Ontem, durante sessão da comissão, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) exibiu um vídeo de governadores do Consórcio Nordeste – incluindo Flávio Dino – e do governador João Doria (PSDB), de São Paulo, defendendo uso da hidroxicloroquina de acordo com recomendação médica. O vídeo, fora de contexto, era do início da pandemia, quando ainda não havia contraindicação do uso do medicamento para casos de covid.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desculpe, mas você não pode copiar o conteúdo desta página.